A guerra como ela é

Foto: divulgação

battleground6

Marcelo Araújo

Por mais que haja atos de bravura e causas nobres nas guerras, elas só trazem tristeza e destruição. Um dos filmes que mostra conflitos bélicos sem qualquer glamour é Battleground, de 1949, dirigido por William A. Wellman. Conhecida no Brasil como O Preço da Glória, a produção dá um toque bastante realista a uma campanha de tropas americanas na cidade belga de Bastogne, durante a Segunda Guerra Mundial.

O elenco traz entre os destaques Van Johnson, John Hodiak, Ricardo Montalbán (o senhor Roarke, do seriado A Ilha da Fantasia) e George Murphy. O enredo se desenrola em dezembro de 1944. Acampados, soldados aguardam ansiosamente por um passe para uma folga em Paris, mas são enviados ao front para lutar contra os alemães. Em meio ao inverno rigoroso, os homens do Tio Sam terminam cercados pelo exército germânico.

Além do risco de morrer em combate, os militares passam por outras provações, como suportar o inverno rigoroso em condições precárias. Se os guerreiros dos filmes clássicos eram como super-heróis, invencíveis e imponentes, com seu visual impecável e suas ações espetaculares, os personagens de Battleground volta e meia fraquejam, reclamando do destino e até mesmo cogitando fugir.

Ao contrário dos galãs hollywoodianos de até então, aqui os soldados aparecem sujos, maltrapilhos, cospem no chão e nem sempre se encaixam nos padrões de beleza do período. Em certos momentos, praticam atos não tão nobres. Caso de uma cena em que Holley, personagem de Van Johnson, rouba ovos do galinheiro de uma bela francesa que deu abrigo a ele e a seus companheiros em uma noite fria. Noutra cena, um dos membros do pelotão faz questão de ignorar uma mulher que procura comida no lixo, no que é repreendido duramente por Jarvess (John Hodiak), que diz que pretende guardar imagens como aquela na memória para o resto da vida.

Battleground induz à reflexão sobre as barbáries motivadas pela insanidade humana e por interesses nada nobres. Pela visão crítica, como obra de arte se aproxima do neorrealismo italiano e se encaixa numa tradição que ao longo de décadas reúne produções do quilate de Apocalypse Now, Platoon e Além da Linha Vermelha.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s