A Bruxa leva espectador à perturbação

Foto: divulgação 

abruxa

A Bruxa (The Witch), que chega ao Brasil, não tem muito a ver com aqueles filmes de terror que provocam sustos e fazem a plateia pular da cadeira. Apesar disso, a obra de estreia do diretor americano Robert Eggers causa enorme tensão e perturba o espectador.

Na película, voltamos ao ano de 1630, na Nova Inglaterra, na nascente América. William (Ralph Ineson) e sua família são expulsos de uma comunidade por divergências religiosas. Ele acaba se isolando com a mulher e cinco filhos perto de uma floresta. Ali, suas vidas começam a ser atormentadas por incidentes misteriosos que afetam, particularmente, a primogênita Thomasin (Anya Taylor-Joy).

De enorme fé cristã, William tenta defender e manter todos unidos a qualquer custo. Porém, em um ambiente inexorável, o pai, a esposa (Kate Dickie) e os filhos se deixam contaminar por angústia e pânico.

O filme explora com maestria o clima de paranoia moralista e religiosa que dominava o período com obscurantismo. Ao invés de apelar para clichês, Robert Eggers tece o horror em torno de tabus comportamentais então vigentes, como a sexualidade reprimida. Entre os puritanos, a crença em entidades sobrenaturais tinha muito a ver com a dificuldade em lidar com o aparentemente incomum dentro da própria realidade.

Nesse meio sombrio, qualquer comportamento considerado minimamente estranho, como a manifestação de uma doença ou alguma atitude transgressora na visão coletiva, já poderia constituir motivo suficiente para levar alguém à fogueira por “bruxaria”.  Hoje figuras caricatas do folclore com suas verrugas nos narizes e vassouras, naqueles tempos feiticeiras eram absolutamente temidas.

Com todo clima psicológico forte, A Bruxa tem como mérito despertar mais dúvidas do que certezas, deixando uma linha tênue entre o real e o imaginário. E na incerteza, residem os temores.

 

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “A Bruxa leva espectador à perturbação

  1. Marcelo,

    Assisti o filme e concordo com você: nada de terror, mas um suspense bem forte!
    Gostei muito do seu texto!
    Achei muito legal quando você escreveu: “O filme explora com maestria (…) obscurantismo.”

    Valeu!!
    Mais um grande trabalho que você nos oferece!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s