Hans Wilberley

Um cientista alemão finalmente descobre sua fórmula

Texto e ilustração: Marcelo Araújo

Hans Wilberley

No laboratório, a algumas quadras do Checkpoint Charlie, em Berlim, o professor Hans Wilberley acabava de criar a fórmula da sua vida, que iria revolucionar a ciência moderna, no seu entendimento.

O trabalho era fruto de quarenta e sete anos de esforços. Na juventude, quando iniciou as pesquisas, o muro dividia a cidade.

Em seus pensamentos, o cientista acreditava que sua invenção, se utilizada devidamente, traria benefícios incríveis. Quem sabe o prestígio alcançado internacionalmente até ajudaria a reunificar a Alemanha. Estaria exagerando o professor? Provavelmente.

Mas a reunificação ocorreu antes que conquistasse seus resultados.

“Não importa. Quando chegar às estruturas moleculares finais, haverá uma revolução”, anteviu. “Revolucionarei a química, a medicina, a biologia; tudo!”, gabava-se.

E então, após quase cinco décadas, aquele dia miraculoso veio, quando a última estrutura molecular foi adicionada à fórmula.

O professor pulou pelo laboratório. Só não soltou foguetes porque não tinha nenhum consigo. Que pena! Também não possuía uma garrafa de espumante ou vinho, mas havia sim uma legítima cerveja alemã para comemorar, no freezer do laboratório.

Pegou uma taça e encheu.

Ergueu a taça para o alto e, logo depois, deu um gole.

“Maravilha!”.

Saboreando a cerveja, o professor encarou a enorme quantidade de tubos de ensaios e outros recipientes por cima da mesa, junto com papeladas e mais papeladas.

“O Nobel logo cairá em minhas mãos”, imaginou, visualizando hordas de repórteres ao seu redor, lhe perguntando sobre a utilidade da fórmula.

Também se enxergou em um desses talk shows famosos. Ele seria anunciado, para se levantar do meio da plateia e caminhar até uma cadeira em frente ao apresentador, sob os aplausos do público e visto por milhões de espectadores.

Muito simpático, o apresentador lhe perguntaria: “Professor Hans Wilberley. É um prazer conhecê-lo e tê-lo aqui conosco. Estamos curiosos para saber sobre sua fórmula. Pode falar um pouco a respeito? Para que serve?”.

“Para que serve? Para que serve? Para que serve? Para que serve?”.

A ilusão se desfez e do programa de TV o cientista voltou ao seu laboratório. Empalideceu e sentiu o coração palpitar, enquanto as pernas ficaram bambas.

“Para que serve?”.

A pergunta não parava de martelar na cabeça de Hans Wilberley, só que ele não conseguia lembrar a resposta.

“Céus!”, gritou, mas ninguém o ouviu, atormentado por sua terrível angústia.

Anúncios

Um pensamento sobre “Hans Wilberley

  1. Marcelo,

    Gosto muito do Estilo Narrativo dos seus Contos.
    São objetivos e sempre presente um fluxo linear, o que torna a leitura agradável.

    Vi um personagem vivendo por toda a vida como que num surto psicótico de um estado maníaco com delírio de grandeza, e que após anos de delírio, tem um período de lucidez e se depara com a realidade.

    Fiquei muito contente porque há muito tempo não leio um texto com dois Estilos Literários diferentes, difíceis, se entrecruzando (em um texto curto, seco).
    Observei traços Expressionistas (raro de se ver em Literatura) e traços do Absurdo (se o personagem não fosse um psicótico – minha interpretação).

    Valeu! Texto que embora num primeiro momento possa parecer “uma história”, não o é; em definitivo; é um texto peso pesado, desses que só Artistas Hábeis sabem conduzir.

    Parabéns!

    Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s